sábado, 8 de junho de 2013

Sem Rumo - de Eddson Carlos Contar

.

SEM RUMO


Ói, sabe por que não gosto de falar em política no meu face?
É que o computador foi a única coisa que me restou...Assim mesmo, é um velho notebook, ano 1940, tocado a ventoinha , muito bom nos dias de ventania, mas paradão nas calmarias.
É nele que posso acessar o face como meu cantinho pra prosear c’os amigos, poetar,
cantar e refrescar a cuca sem precisar ver a globo mentir e ditar modismos pros incautos telespectadores.
Cá estou eu, perdido nas estradas da vida, viajando sem rumo, sem lenço e sem documento...
Tudo isso, por causa de que, a tal política prometeu, prometeu e só me coitou...

Desde os tempos que o Getúlio prometia que os “trabalhadores do Brasil” seriam recompensados, eu trabalhei, trabalhei, e ele vendo que a promessa ia gorar, deu um tiro no coração e deixou a gente com cara de bundão...A mesma que tinha o presidente Dutra...

Ai veio o presidente dançarino, melhorou poquin, mas ao perceber que a baia da Guanabara estava muito poluída pelas merdas que os políticos faziam, resolveu se esconder no planalto central e construiu uma baita cidade com dois penicos bem grandes, pros ditos fazerem lá as suas necessidades... 
Depois, veio o conterrâneo Janio com uma vassoura prometendo limpar toda sujeira que os outros fizeram no barraco Brasil, mas acabou pedindo o boné e foi pescar em Guarujá, pintar telas e escrever, enquanto a gente sifu...
Aí, os militares resolveram que deveriam botar ordem no progresso, não deixaram o Jango assumir porque diziam que ele era comunista e iria comer todas as criancinhas do Brasil varonil, que a gente ia plantar cana pro governo, que um monte de gente viria morar em nossa casa e danaram prender gente...Eu fiquei quietinho , trabalhando com um olho na missa outro no padre...
Aí então, fecharam o acesso aos penicões mandando que os políticos fossem defecar no mato. Alguns foram até pro exterior.
Aí, cansaram de brincar de mocinho e bandido e devolveram a peteca pros políticos...

Finalmente!...Agora vai, pensei...Mas, quá!...

Veio um homem “sarnento” do Maranhão e fez a pior M na economia, gerando a maior Inflação da história, deu um “cruzado” de direita, levando o povo à lona ...foi um desastre do qual só se saíram bem os “marajás”, até então, só conhecidos na India. Eu peguei os trocados que tinha e joguei na poupança...Ahãn, pensam que eu era bobo?
Era! ... mais uma vez, mifu!
É que surgiu o “salvador”, o caçador de marajás, o homem dos brasileiros e brasileiras, bonitão, atleta, malvadeza durão, a salvação da lavoura!!!!
E o besta aqui, vendeu os trecos que tinha e reforçou a poupança...
E o fdp confiscou tudo! 
E eu fiquei na mão...Cheguei pensar jogar-me no córrego prosa... Só não o fiz porque a poluição já tinha se afogado nele deixando-o raso demais para meu intento. 
Fantasiei-me de índio...pintei a cara e fui pras ruas pedir pra ele sair e apagar a luz.
Foi aí que o pessoal dos penicões desconfiaram e tomaram a carteirinha dele.
Veio depois um velhinho simpático, paquerador, mas ficou pouco tempo e só fez fabricar uns fusquinhas que não duraram nem o ano de sua gestão. Verdade seja dita, foi no curto governo dele que o conde Fernando bolou o tal REAL, cujo arranjo freou a tal superinflação (?) e fez voltar o meu dinheirinho da poupança, magrinho, magrinho...
Corri e comprei uma terrinha, fiz um ranchinho, comprei uma vaquinha, umas sementes e fui pro mato cortar lenha, Santo Antonio me chamou...ops, já ia entrando em outra história...
Foi então que o tal Conde Fernando virou presidente e começou lá um tal programa de melhor distribuição da renda dos outros para outros...Disse que ia acabar com a pobreza, mas acabou com a classe média...E eu, quietinho no rancho, plantando e colhendo, tentando recuperar o que perdi...
E os tais políticos inventando moda...Direitos disso, direitos daquilo, e nada de deveres...
E veio o Luiz 51 pra implementar os tais programas, esparramou bolsas, controlou a inflação até direitinho, mas descontrolou o sistema dando sacolão para os pobres e mensalão para os políticos...E eu trabalhando, pagando impostos, e eles festando com a minha desgraça ...
E vieram uns tais sem terra e acamparam na porteira do meu rancho...queriam as terras que os políticos haviam prometido...e eu não tinha nada com isso.
Reclamei pra Deus e o mundo, negociei, pedi soluções pros políticos e eles saiam de fininho assobiando “ei, você aí, me dá um dinheiro aí”...Fizeram leis pela metade e não sabiam o que fazer...tentaram remendar e ficou pior que o soneto...E o andarilho que vos fala, mais ferrado ainda! 
Finalmente, consegui negociar com os invasores e eles aceitaram acampar na porta do vizinho...
Ai chegou a dama de ferro auriverde e até que tentou controlar a situação, mas a corja insaciável exigiu tanto que logo teremos mais ministérios que escolas e hospitais...Ou então, ela não conseguirá governar nem Fernando de Noronha.
E eu plantando e colhendo - e pagando o Banco do Brasil...e o Brasil.
Até que um dia alguém lembrou que tudo aqui era dos índios...E o mais interessante é que foram os portugueses que invadiram as terras deles, mataram mais da metade , mas não conseguiram finalizar o genocídio.
Ora pois!...Por que não adotaram a política do “olho por olho” e foram invadir Portugal???
Logo as minhas terrinhas???
Foi daí que, fugi pra cidade, comprei os direitos de uma casinha tipo BNH e fiquei na moita...
Mas não é que agora tem uns tais de “sem teto” falando em tomar meu barraco?
Os políticos prometeram , não cumpriram, e eu pago o pato?
Taí a razão de eu ter largado tudo, pego a estrada com minha mochila de sobrevivência e o meu notebook de terceira mão, no qual consigo navegar quando paro sob uma torre dessas de telefonia e pirateio o sinal pra entrar aqui na internet e visitá-los no face...
E vocês ainda querem que eu aceite falar em política e políticos aqui???
Um dia, eu chego ao Uruguai...Lá está a política que eu sonhei...Aqui, desacreditei de tudo e de todos : destros, canhoteiros e adjacentes...
Mas ainda tenho amigos aqui e até alguns poucos políticos que são exceção no meio do lixo que virou esta coisa chamada Brasil. E eu amo todos vocês...

Afinal, como disse Karai Guevara,” Hay que endurecerse sin perder jamás la ternura."


Se eu ler isso aqui, vou chorar...portanto, quem quiser que revise! 
Tenho dito!
 
SE VOCÊ TEM FACEBBOK , SEJA MEU AMIGO POR LÁ E VISITE SEMPRE E AMINHA LINHA DO TEMPO :Edson Alkontar ou Eddson Carlos Contar

Um comentário:

  1. Adorei!!!!!
    Simples, direto, informal, justo e verdadeiro. Grande abraço.

    ResponderExcluir